[Mochila Viajante Osprey] Avaliação modelo Mira 26 litros


Fala, galera! Fui escolhida pela Osprey Brasil para compor o time de 8 blogueiros de aventura que farão os testes das mochilas Manta (28 litros) e Mira (26 litros). Elas já estão rodando o Brasil inteiro na Campanha chamada Mochila Viajante. Bem legal, né? 

Agora é a minha vez com a Mira verdinha. \o/ Escolhi fazer como teste oficial a trilha até a Cachoeira Cantinho na Chapada dos Veadeiros, que fica na Cidade de São João D’Aliança (150 km de Brasília em estrada normal + 38 km de estrada de chão). Você pode ver no final do vídeo abaixo como foi linda essa trilha. Para ter certeza, ainda fiz um “warm up em uma trilha do Jardim Botânico de Brasília *-* para falar mais para vocês sobre a jovem (interpretem como desculpa para fazer mais trilha rs).

Tal modelo foi feito para a vida multi-sport, ou seja, você pode usar ela em caminhadas, escalada, ciclismo e etc.  Confira essa avaliação pessoal com base na minha experiência com trekking e com outras mochilas também:

 

Pontos Positivos

  • Gostei MUITO do fato de ela ter vários bolsos. Muito mesmo. Sou danada com a tal da organização;
  • O reservatório próprio de 3 litros é sensacional. Dá para fazer uma viagem longa de um dia e não ter problemas, além dos bolsos laterais expansíveis para garrafinhas;
  • O fato dela ser verde fluorescente não foi  por acaso. O propósito foi deixar a mochila mais visível à noite;
  • Barrigueira e ajuste de peitos reguláveis. Mulher sofre com esses ajustes e ter isso numa mochila é conforto pra gente; xD
  • Ímã para a mangueirinha do reservatório se ajustar à mochila. Isso é bom DEMAIS!!! Aquela mangueira solta na hora de caminhar não é bacana;
  • Os zíperes respondem bem na hora de abrir e fechar. Não ficam “pegando” no tecido;
  • Encaixou bem no corpo e não senti o peso que levei;
  • Fotogênica e combina com minha pele bronzeada :B
  • Já falei que tem muito bolso? rsrs *-*

Pontos negativos:

  • Achei ela pesada para uma mochila de 26 litros ->>> 1 kg;
  • As fivelas aparentam ser frágeis.

 

Não tive a oportunidade de testar a resposta à abrasão do tecido com mais esforço, porém na trilha que fiz à Chapada, subindo e descendo pedra, me arrastando para não escorregar e colocando peso (em torno de 5k a 6 kg), a mochila obteve boa performance. Não soltou fio nem rasgou. Para trilhas de um dia achei muito boa! 😀

 

 

MOCHILA APROVADA pelo selo de qualidade da tarada por mochilas de trekking. rsrs Quem sabe essa não vai um dia para minha coleção né? Mochila pra mim é sapato! \o/

*Não, gente. A mochila não fica comigo. Ela é viajante! Só fiz o teste mesmo. rsrs Adeus, jovem Mira! Te vejo nos meus vídeos e fotos lindas que tirei contigo rsrs 

Deixo para vocês nossa galeria na linda, maravilhosa e divante da Chapada dos Veadeiros. Vão quando tiverem oportunidade e se quiserem podem pegar algumas dicas comigo. ^^

Agradecimento super especial à galera que colou junto nessa trip. Valeu, Renan Braga e Raissa Franga, da @exparrados_producoes, pelas fotos lindas, vídeos e edição. Obrigada pela companhia e trocas de experiências, queridos Juscelino, Luiz e Erica. Adorei nosso domingão no paraíso. Que venha agora o acampamento com pernoite! rsrs \o/

 

#keeptrekking 🙂

 

Siga-me nas redes sociais \o/
Instagram: @jutrekker
FACEBOOK

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *